Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rir e Comer Bolachas

Velha do restelo

Já aqui escrevi que, nos últimos tempos, há sempre alguém (corajoso) que me diz que envelheci. Ou que estou amarga. Ou que não sou optimista. Nunca consigo reagir bem a esta ideia, de que estou a envelhecer - e este envelhecer nada tem a ver com rugas e/ou flacidez, é no sentido de ter pouca paciência, ser rabugenta. Primeiro porque não me vejo assim, depois porque chamo outra coisa aquilo que vêem como "azia" ou "acidez".

Nestes 35 anos (uso sempre a calculadora agora, desde que me enganei na minha idade) a vida encarregou-se de me aviar, bem aviadinha, de lições e ensinamentos vários, sendo que o mais importante foi a técnica de filtragem. É tudo filtrado, e por filtrado quero dizer vedado, seja à minha vida, seja à atenção que dou, ou até à tolerância. Há coisas que já não aceito. Ponto. Porque sei ver para além da situação, ou da pessoa, já nada é ato isolado e, como tal, julgo a situação num todo. Exemplo - uma opinião (estúpida e que não foi solicitada) de um miúdo de 10 anos eu aceito e sei gerir, de alguém com a minha idade não - tem idade suficiente para distinguir o que dizer e quando. Não tem? Depois de uma resposta à altura, talvez venha a ter. Não que tenha por missão educar alguém, não, não tenho é que comer e calar.

Outra da coisas que me faz não aceitar certas coisas é medir tudo por mim, e isto, sim, é errado. Profundamente errado. E do caraças para corrigir. As outras pessoas não são eu, não agem como eu, não pensam como eu, logo, não tenho que comparar o que eu faria, seria, diria. Eu sou eu, os outros têm toda a legitimidade para serem como são. A mim cabe-me aceitar ou não. (É simples aqui, na dia-a-dia é do caraças...) Resultado - As pessoas não correspondem às minhas expectativas e eu desiludo-me, acabando por erradicá-las da minha rotina, e assim, da minha vida. Resultado II - Estar casa vez mais sozinha.

"Eras mais alegre, mais optimista" e mais inocente também, depois veio a vida e ensinou-me a ver tudo de forma diferente. Se calhar tenho que aprender novamente a rir sem motivo, a levar a vida na descontra, a pensar menos, enfim, a ser jóve e airosa ... Sugestões, há?

P.S - Começo já por meter aqui uma coisa fófinha e otimista.

8 comentários

Comentar post