Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rir e Comer Bolachas

(Tentar) Namorar depois de um divórcio

É uma loucura, não é?

Quere-se dizer, é que já há toda uma bagagem para trás. Já não temos a frescura dos 20's, nem a coragem, nem a confiança tonta de que o amor pode tudo, principalmente o nosso, que toda a gente sabe, é diferente dos outros todos. Temos medos, cicatrizes, manias, vícios, toda uma panóplia de maleitas que a idade e más experiências trazem. E filhos. Que são a nossa vida toda, e ainda bem, mas que requerem muito jogo de cintura e atenção. Se normalmente já nos sentimos um malabarista com bolas no ar a tentar equilibrar tudo, basta imaginar um novo relacionamento e é toda outra ginástica a juntar à equação.

Começa logo pela decisão de voltar ao "mercado", é despertar o nosso lado bipolar- ora tão depressa queremos como já não queremos, porque só nos aparece gente doida e não estamos deseperadas. Arriscamos, então, os amigos dos amigos (que é como quem mete o pézinho dentro de água para verificar a temperatura antes de mergulhar) mas, regra geral, já os conhecemos todos e "têm bicho". Conhecemos relações anteriores, ou já ouvimos as histórias cabeludas, e respetivas queixas, ou ainda nos lembramos deles durante a adolescência, ou não lhes achamos gracinha nenhuma, até porque se achássemos já não eram amigos de amigos mas outra coisa qualquer, tipo ex. O passo seguinte é o Tinder, ou qualquer outra aplicação que permita ver quem anda por aí sem sair do conforto do nosso sofá. Ou, quem sabe, da sanita. Sim, há gente que o faz na sanita. O Tinder, à semelhança do Facebook, tem a (des)vantagem de, por trás da segurança da distância e ausência de confronto físico, deixar vir à tona o verdadeira carácter das pessoas. Para o bem e para o mal. Se aos 20 o pessoal tem pressa porque tem as hormonas aos pulos, aos 40 já não há pachorra e quer-se tudo para ontem. Se é para fazer, faz-se, que não há cá tempo a perder.

Até porque a oferta é muita e, se não gostamos de qualquer coisinha, passa a outro e não ao mesmo, não há cá medos de ficar encalhado.

 

(To be continued)

2 comentários

Comentar post