Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rir e Comer Bolachas

Diz que é O estalo

 

Eu tenho problemas de confiança. Não consigo confiar facilmente nas pessoas, não vejo de imediato o lado bom e desconfio sempre do que me dizem. Isto até conhecer, depois de conhecer as pessoas (obviamente que não todas), afeiçoo-me e confio plenamente. Mas há certas coisas que me fazem desconfiar, que me fazem ficar de pé atrás, que me levantam os pelinhos dos braços. 

Uma amiga começou a namorar. Deu-lhe "o estalo", que é uma coisa que tem acontecido muito por estas bandas, e perdeu-se de amores por um antigo namorado que reencontrou. Até aqui tudo bem. O problema é que todos os dias ela traz uma notícia nova - algo de fabuloso, com o qual ela sonhou a vida inteira, que ele fez/disse/mostrou/comprou. Fico mesmo contente por ela mas já começo a estranhar tamanha perfeição, no seu lugar já andaria à procura do "lado lunar" como diria o Rui Veloso. Há dois tipos de pessoas em quem não consigo confiar: os perfeitinhos e os zen. Os perfeitinhos parecem que leram T-U-D-O o que devem fazer a uma mulher, e demonstram-no no menor espaço de tempo possível, ou seja, tudo ensaiado e nada sentido. Daqui a uns meses acaba o show-off, a moça está garantida e acaba ali o romance, a surpresa.. Os zen são os que não se chateiam, os que não levantam a voz, os que não perdem a pose e que, provavelmente, não sentem nada nem que lhe espetem agulhas nos olhos. Quando o sangue ferve nas veias não há cá educaçãozinha, nem modo zen que nos valha. 

Gosto de pessoas reais. Gosto de ver um defeito ou outro bastante evidente, nada dissimulado. Gosto da espontaneidade e das parvoíces que se dizem no calor do momento. Gosto que as coisas demorem tempo, não gosto de relações express. Gosto de palavras sentidas e não de frases batidas. 

Sou antiquada, não sou?

 

 

Disclaimer: Aquilo que vou escrever não é um desafio à vida ou a qualquer Entidade que governa o meu destino, que não eu. É apenas e só um desabafo, sem querer provar nada, sem dizer oh-vida-manda-me-lá-disto-para-ver-o-que-faço.