Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rir e Comer Bolachas

A beleza dos dias de hoje

Depois de vacas, agora vou dissertar acerca de coisas tão ou mais importantes ainda que o mundo animal: a roupa, os tecidos e a magreza.

Começo já por dizer que sou gorda, já fui magra em tempos, fui "cheínha" outros tempos, agora estou obesa. Tenho 1,50m, 70 kgs (e nas mamas devem estar uns 20) e muita fome, logo, qualquer pessoa normal parece-me uma deusa. Uma pessoa magra parece-me doente. Não é inveja, acho que são mesmo os meus olhos que se habituaram à... grandeza, vá.

 

 

A minha irmã e sobrinha mais velha andavam há que tempos a falar de um programa que gostavam de ver, onde se faziam mudanças de visual e vestuário a pessoas muito necessitadas, e gostavam muito porque riam e tal, e de caminho ainda conseguiam aprender alguma coisita. Mal sabia eu que, afinal, também tenho este canal... Agora que vou vendo alguns, percebo o que me diziam acerca do corte, do tecido, dos padrões, e vou ficando mais atenta porque quando tinha 52 kgs bem proporcionados qualquer farrapo que vestisse ficava lindamente, agora que pareço um barril com dois bracinhos tenho que ter muito mais cuidado.

 

Tendo isto em conta, pensei duas coisas. Minto, pensei três coisas:

1 - Parar de engordar e perder peso (mesmo);

2 - Mudar de lojas habituais - Não vou encontrar coisinhas catitas na Mango, Zara e afins

3 - Comprar melhor - Nem sempre um conjunto de 3 t-shirts por 15,00€ é uma melhor compra que apenas uma pelo mesmo valor.

 

E lá andei a passear na net, a título informativo porque não posso gastar um tostãozinho que seja, e mandei-me à Massimo Dutti. E gostei, sim senhor, que tem coisas muito jeitosas mas aquilo que me lembro de ver são os manequins... Se antes morria de amores, e a seguir de tristeza, por uma carrada de coisas que ficavam a matar (credo, tanto matar que vai para aqui) na manequim, agora não tenho vontade de vestir nada. Ainda bem para mim. Aquelas senhoras não têm barriga, não têm ventre, intestinos, nada, nadinha? E aquelas perninhas, tão magras e feias,  não parecem que se vão partir ou entortar? E metem os pés para dentro, ou o corpo para a frente ou lá o que é...

Digam lá que não dá vontade de ir fazer uma sopinha à senhora, sem batata claro!, só para lhe confortar o espírito... E o estômago também. Vê-se o belo do osso mas nem peito a senhora tem... E diz que isto é bonito? Onde, senhores?

 

 

 

Pronto, e é isto. Mas o vestido é bonito.