Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rir e Comer Bolachas

E o príncipe virou sapo

Ou é a sapiência da idade (ou das experiências) ou é por estar "de fora", o facto é que eu já esperava qualquer coisa do género. A perfeição não existe, as relações levam (muito) tempo a ser cimentadas e querer muito, muito, muito, não é suficiente para tornar uma coisa real. Na ânsia de querer acabar com a solidão, as pessoas ignoram certos sinais que estão lá desde o início, e projetam na outra pessoa tudo aquilo que procuram e não tiveram antes. Alguém disse que durante os primeiros três meses, não conhecemos a pessoa que está conosco, mas sim, o seu "representante", e eu acredito. Neste caso, nem um quis mostrar, nem o outro quis ver, mas os sinais estão lá, e creio que a sentença também. Ter razão nem sempre tem piada...

4 comentários

  • Imagem de perfil

    trocatintas 20.11.2015 12:15

    Se dois amigos de escola se reencontrarem mais de vinte anos depois são perfeitos desconhecidos, tanto quanto duas pessoas que acabaram de se conhecer. 
    E, se o passado serve de base para evitar ilusões, seria de esperar que alguém sozinho há muito tempo, estivesse com a "guarda levantada", ou não?
  • Imagem de perfil

    Andy Bloig 20.11.2015 15:18

    Nem tanto. (quando me refiro a escola, é a contar do 9 ano para cima... por volta dos 15 anos de idade, antes disso, ainda não somos ninguém) As bases já existiam (podem é ter sido esquecidas, outras coisas mudarem mas, aquelas acções e reacções não mudam tanto assim(só mesmo em situações especiais que tenham passado)). 
    Também existe o outro lado... o dos namorados de tempo de escola-universidade , que tanto podem dar para pensar no "se tivéssemos continuado... podemos voltar a tentar" ou o "nunca mais. Safei-me da outra vez, desta não vai acontecer."


    Quando se encontra alguém que conheceu, mesmo que vagamente, não se deixam levar por tudo o que dizem e ouvem. O que se conheceu acaba por ir dirigindo a situação (muitas vezes inconscientemente). Com isso, já não aparece a onda da ilusão que é tudo uma rosa... até se descobrirem os espinhos.


    O "estar sozinho" depende de muita coisa. Tanto podem estar sozinhos por opções próprias, como por causa da vida profissional ou mesmo por terem tido algum desgosto que tem servido de guarda para não querer entrar em romances. Guarda essa que acabará por cair alguma vez... somos humanos, vivemos em sociedade. Toda a gente procura o seu semelhante (ás vezes até demais...). 
  • Imagem de perfil

    trocatintas 20.11.2015 15:33

    Curiosamente, o caso a que me refiro é de duas pessoas que se conheciam, e namoriscaram, há 20 anos, quando ambos tinham 18. Reencontraram-se e foi a perfeição. Só que não... Existem esqueletos no armário, daqueles que se empurram porta dentro, como quem não quer ver, mas que estão lá e, às vezes,  as portas <span style="font-size: medium; line-height: 25.6px;">abrem</span> e os esqueletos saem.:)
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.