Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rir e Comer Bolachas

Se este blog fosse um livro

Estaria na secção juvenil. Não para que teenagers inconscientes aprendessem alguma coisa com eles mas porque o conteúdo situa-se nesse período maravilhoso (ou não) que é a adolescência. (Atenção! Falo por mim e pela minha contribuição neste canto, não pela Bolacha Maria.)

 

Apesar dos meus 33 anos, sinto que não tenho nada a ver com a idade que o Cartão do Cidadão apresenta: o meu corpo acusa tudo a mais! Peso a mais, cabelos brancos a mais, miopia a mais, olheiras a mais, cansaço a mais. Não passo pelos dias, arrasto-me. A minha mãe tem 66 (será?) anos e tem o triplo da minha energia! E quando digo triplo estou a nivelar por baixo... Já a ver a vida, tenho 17 anos. Continuo a ver tudo colorido e a sofrer horrores diante da realidade, ou da humanidade, acredito que tudo vai melhorar e um dia, um dia é que é, vou viver à séria, com dinheiro suficiente para andar descansada e vou ter serenidade para viver tranquilamente. É como se soubesse a teoria mas não soubesse pôr em prática. No tempo de agir, reage o instinto que ainda é tão verde...

Às vezes olhos para o meu filho e sobressalto-me. Ele está tão crescido, como é que vou saber ser mãe daqui para a frente? Vem aí a escola "dos grandes", a puberdade, a rebeldia, os amigos, os vícios, os amores e desamores... Ele é que me ensinou até aqui e não ao contrário, provavelmente continuará igual esta dinâmica.

 

Pensando melhor, é melhor inventar uma prateleira/categoria: livros não recomendáveis a cardíacos e/ou pessoas esclarecidas com a vida e que já descobriram o seu caminho e função no mundo.

Melhor série de sempre (até ver)

Estou, deliciadamente, viciada na série Modern Family, ou uma Familia muito moderna (segundo parece).É SÓ a melhor série a retratar uma família disfuncional, que são todas: um casal com um filho burrinho, uma espartalhona e uma geek impopular; um casal gay, com filha vietnamita; um pai com um segundo casamento e um filho "emprestado"; uma colombiana, gira que se farta, casada com o patriarca da família... Fantástica! Ainda ontem vi 3 ou 4 episódios seguidos e vi que me fartei.

 

Já procurei à venda e não consigo encontrar, e nos entretantos, tenho que esperar que a minha sobrinha venha a casa para me trazer mais uns episódios, que muitíssimo agradeço mas que só posso ler no pc e não estão traduzidos. Se antes não era problema, agora vai sendo porque se falarem muito depressa já não consigo perceber tudo. E, confesso, não percebo todas as piadas... A idade faz estas coisas. Dizem. Depois, vejo sozinha, porque o esposo não gosta de ver no pc, e não é a mesma coisa, gosto de partilhar!

 

Resta-me esperar, e treinar o ouvido. Alguém sabe onde se vende isto? Ou porque motivo não há à venda? Ninguém gosta, é isso?

 

Coisas boas que (ainda) não pagam imposto #2

Ver o karma dar um estalo a alguém, que não nós!{#emotions_dlg.lol}

 

Pois, eu sei que era para ver o lado bom das coisas, sermos positivos e tal, mas deixem-se de coisas... Ver quem merece a ser "entalado" nas suas próprias asneiras é melhor que ir ao cinema! Além disso, uma coisa é desejar mal a alguém, e isso não fiz, outra coisa é aproveitar o momento para rir um bocadinho quando estão os outros na mó de baixo! Ora, gaita, não pode calhar sempre ao mesmo.

Coisas boas que (ainda) não pagam imposto

- Sentir os pés da "minha" pessoa nos meus pés quando acordo, mesmo antes de abrir os olhos e/ou "descortinar" que dia é

- Encontrar uma nota esquecida no bolso de um casaco

- Ir preparada para andar 1Km a pé e encontrar estacionamento à porta, quando estou mesmo, mesmo, mesmo, com muita pressa

- o riso do Dinis

- toalha de banho, aquecida no aquecedor, em cima da pele ainda húmida

É nosso! Ponto.

O que mostraria de Portugal para o promover? Fácil:

 

- As nossas paisagens - de norte a sul, evidenciando as diferenças de relevo. Primeiro as montanhas, a agrura, as vinhas, as serras, os túneis, depois a costa, de seguida as planícies, as culturas, as gentes.

- A nossa história - curiosidades, lendas, monumentos, heróis, tradições. Temos as fronteiras mais antigas da europa e séculos de História que deixámos esquecida nos livros do secundário (ontem fui à wikipédia consultar datas de construção de monumentos da era dos descobrimentos, porque não sabia quais eram! Si, confesso, tirando a Torre de Belém não me lembrava de mais nenhum...)

- Personalidades portuguesas que mudaram o mundo - desde Vasco da Gama aos nossos emigrantes.

- A nossa gastronomia: temos tudo na nossa mesa. E bem regada.

 

A única coisa que me envergonha em Portugal é a classe política. A mentalidade tacanha e gananciosa das mentes que nos (des)governam.

 

Inspira-me: Um evento que gostasse de testemunhar

A batalha de Aljubarrota - o que eu gostava de recuar uns séculos para assistir à coça que demos aos espanhóis, apesar de sermos numericamente inferiores. A propósito, já visitaram o local da batalha?

Aproveitava também para conhecer a senhora dona padeira Brites de Almeida, essa grande mulher (literalmente) com seis dedos em cada mão, que enfiou a pá... também nos espanhóis.

Herman no seu melhor

Quando comecei a ver estes bonecos do Herman ainda não tinha noção da quantidade de Nelos que andavam por aí (ou aqui). Nem todos abichanados mas com uma semelhança: a estupidez! Não lhes critico a (falta de) inteligência mas antes a relutância em ouvir opiniões contrárias, ou aprender com os outros, ou ainda, admitir que nem sempre sabem tudo, acerca de tudo...
Tenho muita pena das Idálias deste país. Por terem "dois dedos de testa" para pensar e terem que ouvir tanta parvoíce junta!