Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rir e Comer Bolachas

Das coisas que mudam

Há opiniões que tinha e que já não tenho, é  mesmo assim, vamos crescendo e vivendo e as opiniões mudam. Geralmente, porque mudamos de perspectiva. Mas há outras que mantenho, não sei se para a vida toda ou se a vida ainda tem alguma coisa para me ensinar nesses assuntos, um deles a amizade.

Nas férias perguntaram-me quem era a minha melhor amiga e eu fiquei sem saber a resposta. A verdade é que é a minha irmã mas nunca tinha pensado nisso porque ela acumula funções. Sempre pensei na melhor amiga como alguém fora do núcleo familiar, e em tempos, foi de facto. Mas hoje não há ninguém em quem confie, ou que me mereça esse cargo, que é demasiado importante, porque sou picuínhas. Há vários níveis de amizade: há os colegas, os conhecidos, amigos de escola, amigos e melhores amigos. Estas duas últimas categorias têm vindo a estreitar, quase proporcionalmente à minha idade a aumentar. 

Funciono com a amizade como numa relação: é preciso alimentar. Não basta aparecer uma vez por ano ou quando é conveniente. Não basta ver o feed no Facebook e achar que acompanha a minha vida. Não basta ligar no aniversário e Natal. Não basta sequer viver de memórias do que a amizade já foi. 

Às vezes, penso que devo mudar isto. Devo exigir menos. Depois passa-me, porque eu não mereço menos do que isto. Não mereço menos do que dou. E isto foi a vida que me ensinou.

1 comentário

Comentar post