Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rir e Comer Bolachas

Eu sou uma pessoa que agradece a modernidade...

... e água quente nas torneiras, e esquentadores, e aquecedores nas noites frias, e máquinas que lavam a roupa e tudo, e tudo. Mas 147 euros de electricidade para pagar? No mês em que pago o caraças do IMI? No mês em que se avaria a máquina da roupa?

O lado positivo da coisa? Ainda tenho trabalho para pagar isto. Não sei se consigo comer convenientemente com o que sobra mas isso até pode ser bom, preciso de perder uns quilos.

Das arrelias miudinhas

Sem querer ser fatalista, ando aqui a perguntar-me se há pessoas que nascem para não passar da cepa torta. Sem querer ser negativa, nem pessimista, pergunto-me se é suposto que eu não consiga melhorar a minha qualidade de vida. Se podia ser pior? Bolas, então não podia! É bater na madeira três vezes, lagarto, lagarto, lagarto. A minha vida  é catita - com 36 anos posso dizer que já consegui ultrapassar grandes asneiras que fiz e sou feliz com o que tenho. Por outro lado, caramba! podia ser melhor. Agora mesmo aconteceu uma situação que tinha tudo para dar certo só que não. Não foi nada grave, nada que vá mudar a minha vida, foi apenas uma situação que traria mais segurança, mais tranquilidade e maior qualidade de vida. Só que não. Chateia, pronto. Cansa.
Fico sempre com aquele amargo de boca, como se fosse suposto ser assim. Como se alguém estivesse a controlar e a dizer "podes tentar mas não vais conseguir". Será?

De qualquer das formas, está um dia magnífico, uma temperatura agradável e eu tenho o fim de semana para aproveitar. Tudo está bem. É só acreditar que está tudo como deve estar.

Venham os chocolates da Páscoa fáxavor .

Este tempo aquece até a alma

Está um calorzinho tão bom na rua e eu com a janela aberta, a trabalhar. Só se ouvem os pássaros e corre uma aragem quente. Os dedos batem no teclado, em trabalho repetitivo, sem ser necessário pensar, e o pensamento voa. De vez em quando lá tenho que regressar ao modo normal, com alguma pergunta que interrompe a concentração. Faço o mesmo que faço nas viagens a caminho de casa - planeio, como será o futuro, o que vou fazer, que contas tenho que pagar. Nas viagens até casa, o ercurso é curto e só planeio as horas seguintes, mas agora que o tempo parece estar parado, já vou nos meses de férias.
Nem sequer interessa se os próximos meses serão como imagino que sejam, nestes minutos já fui feliz. Não conseguirmos prever o futuro também ajuda a ter esperança.

Pág. 3/3