Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rir e Comer Bolachas

A minha irmã sofre de miopia emocional

E vê mal ao perto. Também vê mal ao longe. Vê mal, pronto, não consegue focar, não tem nitidez nos pensamentos e vê tudo desfocado. Eu sei o que é isso porque eu também tenho miopia, mas nos olhos. Comigo o problema foi fácil de resolver, corrige-se com óculos e já está, mas miopia emocional é todo um outro problema.

Nós olhamos para o céu e concordamos - é azul. Olhamos para as árvores e são verdes, não há motivo para discordar. Depois olhamos para ela, para a vida dela e ela não vê o que eu vejo. E eu tento convence-la mas ela diz que sou parcial, que não vejo bem. Mostro-lhe por a+b que falo de factos, não da minha opinião, mas nada. Ela não vê.

E eu fico aqui a perguntar-me porque é tão difícil saber o seu próprio valor, quando toda a gente vê e sabe. Quando colhe os frutos de uma vida.

Só porque um projeto não correu bem? Só porque talvez não tenha sido perfeita na execução do projeto? Ou até porque o projeto não era o certo para si? Não percebo. Uma única coisa não pode resumir em si o valor de alguém.

...

Às vezes perguntam-me porque escrevo pouco. É porque aborrecem-me as lamúrias, e como tal, tento poupar os outros das minhas coisas, das queixas, da tristeza ou da revolta. Claro que na minha vida passa-se mais do que esses contratempos mas escrever sobre isso alivia-me. E é por isso que o faço. E é por isso que não o faço também, porque tenho medo que o peso que saia das minhas costas fique nas costas de alguém.

Eu vi a luz (e apaguei-a)

A balança mostrou menos 100 gramas ontem! Yeahhhh
O tal incentivo que precisava para me mexer e comer com regras fez-se ver. É um número quase insignificante, eu sei, mas é para baixa, se fossem 100 gramas a mais eu ia ficar mesmo aborrecida, assim não!
Boa! E o que fizeste com isso? Não fiz a caminhada noturna e fui jantar ao Mac...

 

Ontem foi o típico dia-cabrão. Acordei zangada, no rescaldo de mais uma parvoíce do meu adolescente, e o resto do dia trouxe mais preocupações. Vi o copo meio vazio, disse várias asneiras, acabei por dar um pontapé ao copo, maldisse a vida e a sorte desta família e refilei muito. Tive pena de mim, tive pena de todos, e fui para a cama. Hoje estou melhor e o copo encheu ligeiramente, bendisse o sol e esta luz que faz tanta falta e tenho esperança que tudo se venha a compor e a fazer algum sentido. Eu sei que já vivemos coisas piores e conseguimos ultrapassar, que isto é mais uma fase e nem sequer é tão negra como a pintamos, mas caramba! Como diz o outro, viver todos os dias cansa.

Resumo da sangria desatada para ganhar saúde e perder peso

A única coisa que mudou foi o grau de cansaço.

Estou, ando, acordo e adormeço, cansada. Nem estou a fazer dieta, nem estou a comer o que me apetece (ando ali no limbo dos dois, a juntar umas dicas daqui, outras dali e o resto é de senso comum) e mantenho o peso. Só vou à balança de 8 em 8 dias e porque tenho medo mas nem preciso, a roupa está igual, senão mais apertada. Olho para baixo e só vejo mamas. Só não vejo a barriga porque a encolho.

Tenho ido com regularidade ao ginásio e às caminhadas, embora não faça nada ao fim de semana. Continuo sem estar viciada ou sentir vontade de ir, aliás, vou sempre contrariada. Lá gosto, e depois também, principalmente da sensação de dever cumprido, mas estou longe de ser desportista. Correr está agora ao nível da ficção cientifica, é tão provável começar a correr como teletransportar-me para qualquer lado.

 

Desafio de bloggers do Sapo

Hoje está a ser um dia difícil. Acordei rabugenta e nestes dias tenho mau feitio (se há dias úteis, não são estes). Hoje todos os copos estão meio vazios, todo o esforço é infrutífero; hoje não pode ser dia de reflexões - é atirar tudo para o caixote e amanhã esperar melhor.

Sinto-me uma Maria vai-com-as-outras e não passo da cepa torta... Já as bad girls vão a todo o lado e conseguem tudo. O mundo está ou não de pernas para o ar? Se calhar, tenho só a cabeça desarrumada , deve ser o resultado de ter um filho adolescente. Ultimamente, sou só mãe - a que ralha, a que cuida, a que lava, enxuga e passa, a que cozinha (qual Belita, Rainha dos couratos), a que verifica os tpc's, a que se esquece de verificar os tpc's, a que faz de táxi, e depois tudo outra vez. Às vezes, sinto que tenho várias identidades, assim uma espécie de esquizofrenia ligeira...

 

Adenda - Este texto foi escrito no dia 27-02 e ficou à espera que o acabasse. Acho melhor publicar como está, sob pena de o desgraçado nunca chegar a cumprir a missão. As minhas desculpas a tantos (que leio diariamente, ou quase) e ficaram de fora.

Pág. 3/3