Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rir e Comer Bolachas

Das pessoas brutas

Quem me conhece bem, e quem mal me conhece também, sabe que consigo ser brutinha como as casas.

Ser bruta, ao contrário do que pensava e defendia, não é ser frontal, nem directa, nem assertiva, nem honesta, e muito menos brutalmente honesta como ouço dizer. Ser bruto/a é arremessar com a opinião na tromba das outras pessoas, sem que estas lhes tenham provocado mal, e por vezes nem opinião pediram; ser bruto/a é não fazer uso da educação que tivemos e esquecermo-nos que estamos a falar com uma pessoa e não temos dimensão do impacto que pode ter; ser bruto/a é forçar a outra pessoa a ouvir ou perceber o que queremos dizer.

 

E esta conversa vem de onde? - perguntam vocês. Sei lá, lembrei-me disto. Ando com falta de paciência para gente bruta.

Camões e o cromo

Antes do Natal começámos a perguntar ao Dinis quais os presentes que gostava de ter, à espera das respostas do costume, não sei quê para a Wii, o Pes não sei quantos, mais o Fifa, e futebol a rodos... Mas não, o item nº 1 era os Lusíadas. Hum, hum! Aguardámos que passasse, visto tratar-se de uma coisa que ele tinha encontrado para chamar a atenção, armar-se em engraçadinho, chocar os mais distraídos. Não passou, e começou a divulgar o presente perfeito por toda a gente, sendo que a resposta que lhe davam era a mesma: "não é para a tua idade!" e ele, como bom teimoso que é, deixou-se ficar e voltou à carga no aniversário, Lusíadas, Lusíadas, Lusíadas...

O aniversário passou, os presentes chegaram e nada de Lusíadas, até que o meu colega de trabalho, conhecedor deste desejo profundo, ofereceu-lhe o exemplar que tinha em casa. Ontem. E ele ainda não o largou. Esta manhã estava a ler em vez de se vestir, foi a ler no carro e quando lhe disse pela enésima vez que a poesia não é como a prosa, que não pode ser lida de forma corrida, tem que ser saboreada, interiorizada, degustada lentamente, ele olhou-me como se falasse outra língua... E perguntei "Que obsessão é essa? De onde veio essa vontade toda? Quem te falou em Luis de Camões?", resposta: "Vocês é que estão obcecados... Qual é o problema? Gosto, pronto. E, ó mãe, Luis Vaz de Camões faz parte da história..." Tipo duhhh, claro que sei quem é Camões, preciso lá que me digam quem é o gajo!

Acho que o meu filho é um cromo. O mais espetacular da minha caderneta, mas um granda cromo!

Sabes que estás a ficar cota, quando...

Encontras numa mercearia da aldeia, um creme que a tua mãe e madrinha usavam e compras só para ter o prazer de chegar a casa, sentares-te à varanda, fechar os olhos, cheirar o dito e ficares durante meia hora, com um ar feliz e sorridente (leia-se aparvalhado!) a recordar as noites de bailaricos, de horas a fio na conversa com as amigas (todos os dias tinhamos asunto para horas!)

 

Dar descanso ao Tico e Teco

A semana passada foi intensa, esta semana é de ressaca.

Se pudesse ficava em casa, sossegada, até ter vontade de fazer qualquer coisa outra vez. Ontem ao final do dia estava nauseada, se fizesse algum movimento mais rápido ficava com tonturas - é sinal para parar. Fiz o jantar, arrumei a cozinha em tempo recorde (tudo dentro da máquina e apaguei a luz), ajudei o Dinis com a língua portuguesa e deixei-me ficar em silêncio. Deitei-me e comecei a sentir-me a adormecer e fiquei com pena: o silêncio e a ausência de pensamentos estava a saber-me tão bem! Não se ouvia nada no prédio, nem na rua, ouvia apenas a minha respiração e os ponteiros do relógio que nem me apeteceu tirar do pulso...

Hoje continua a apetecer-me silêncio. Não é que esteja triste, ou aborrecida,  ou deprimida, ou cansada, não, é mesmo necessidade de silêncio.

Os diretos na TV

À hora dos noticiários já estava a ajudar o Dinis a estudar, que consiste basicamente em fazer-lhe perguntas e esperar pelas respostas (sem eu própria as saber, por vezes, sim juro!) e tinha a televisão ligada, embora não estivesse a tomar atenção, até ouvir umas vozes e perceber tratar-se de um direto. E pensa-se sempre que, se está um jornalista em direto no local da noticia, é importante... Começo a ouvir uma senhora a relatar qualquer coisa e pelas notas de rodapé percebo que 4 presos fugiram de um estabelecimento prisional, tendo sido entretanto capturados. Dizia a senhora:

- Os filhos da puta foram com os bófias (...)

 

Pois. Nada como um direto (em tudo fundamental para a nossa segurança e conhecimento).

Alguém sabe dizer-me...

... se compensa comprar uma máquina de fazer pão??? Compro pão diariamente para o meu filho levar para a escola, não como pão regularmente embora goste, mas compensa a eletricidade que gasta? E tempo, e detergentes? O Lidl tem à venda por +/- 48 euros mas tenho medo de me aborrecer com aquilo ou não ficar como gosto e acabar por comprar à mesma... Já alguém experimentou?

Constatações de quem tem pouco trabalho

Esta manhã, quando saí de casa às 7h da matina (custa a levantar, mas o dia a esta hora é tão bonito!!) estava um frio de rachar (ou então não e era o sono a falar mais alto) e vesti uma camisa, um casaco de malha e um cachecol. Até aqui tudo catita, até parece que vim muito bem vestida.

 

Mas agora que já abri bem a pestana, já bebi café e já estou no pleno dos meus sentidos é que reparei:

 

- A camisa é branca com riscas vermelhas.

- O casaco é vermelho.

- O cachecol é cinzento-mesclado.a-puxar-para-a-cor-de-burro-quando-foge.

- As unhas estão pintadas de coral (é cor de laranja, mas coral soa mais fino!)

- As calças são de ganga e as sabrinas pretas.

 

Uma palavrinha a resumir:

Ca-medo!

 

{#emotions_dlg.confused}