Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rir e Comer Bolachas

Vizinhos

Não sou uma pessoa muito sociável, admito. Sou simpática depois de conhecer as pessoas mas não faço o mínimo esforço para as conhecer, não é por mal, apenas acho que não tenho tempo para dar a toda a gente e ocupo-me com as pessoas que me são importantes. Como é óbvio, sou educada e digo bom dia e boa tarde, seguro a porta para entrarem e essas coisas, mas dificilmente me verão na conversa com vizinhos. Outra vez, não é por mal. Não tenho interesse em conhecer, aprofundadamente, todas as pessoas que se cruzam comigo, e os meus vizinhos são apenas pessoas que se cruzam comigo mais vezes. Adiante.

Se não tenho muita afinidade com os meus vizinhos, com o do primeiro andar tenho uma antipatia crescente. Mudou-se há pouco tempo. Nas primeiras semanas correu tudo lindamente, tirando um ou outro episódio mais incómodo, depois os incómodos tornaram-se mais vulgares e, agora, resolveu ter companhia... Eu não tenho nada contra o amor, pelo contrário, faz as pessoas mais felizes, mas eu gostava que fizessem o amor a horas mais próprias. Na impossibilidade de organizar melhor horário, façam o amor de forma mais silenciosa, a malta cá de baixo agradece não acordar de madrugada a pensar que alguém está muito aflito!

Ontem à noite, ainda trouxeram mais um casal. Não me interessa nada o que lá fazem, é-me igual, mas dá para fazerem menos barulho? É que às 00h20 entrarem pelo prédio adentro, com botas de motard, a falar como se ainda tivessem os capacetes pelas orelhas abaixo, a rirem muito, e conversarem quase aos berros e ainda meterem um filme no seu home cinema num volume alto o suficiente para se perceberem os sons, não é nada fixe!

A sério, dá cabo dos nervos de qualquer santo estar na cama e não conseguir adormecer. Só conseguimos ouvir aqueles sons, não dá para nos abstraírmos e vemos as horas a passarem e a aproximar-se a hora de sairmos da cama e nada de descansar. Eu calculo que tenham horários diferentes dos meus mas há limites! Há regras para viver em prédios. Há leis que exigem quietude a partir de determinadas horas.

 

Tenho sono, tanto sono que me custa pensar.

5 comentários

Comentar post